Bitcoin, ouro e imóveis são a saída para fugir da bolha do mercado financeiro, diz fundador da Singu

Salim Ismail, um dos maiores especialistas de inovação do mundo, diz que existe uma bolha no mercado - e em seis a oito meses ela vai estourar SÃO PAULO – O que um dos maiores especialistas em inovação do mundo diria sobre a pandemia até aqui? Que os negócios digitais avançaram dez anos no tempo e os analógicos voltaram dez. Que os estímulos dos governos encharcaram o mercado de dinheiro, formando uma bolha, que está prestes a estourar. E que, de um ponto de vista filosófico, tudo isso é o mundo dizendo para a humanidade: vá devagar. Com tudo mudando tão rápido, muitos preferem não arriscar opiniões. Não é o caso de Salim Ismail, autor das reflexões acima e conceituado guru de negócios, que

Com mercado apresentando crescimento, profissionais comemoram o dia do Corretor de Imóveis

Nesta quinta-feira (27/08) é comemorado o dia do corretor de imóveis, mas você sabe quão importante é esta profissão? O DIÁRIO DO RIO traz relatos de diversos profissionais da área explicando sua história, sua importância, como está o mercado atualmente e o que esperar para o futuro. Apesar de ter sido regulamentada por lei federal em 1962, a profissão de corretor de imóveis surgiu muitos anos antes. Tudo começou na época do Brasil Colônia. Fazendeiros e seus familiares usavam um intermediário para procurar casas nas cidades. Ao longo dos anos, a profissão teve diversas denominações. A primeira delas, ainda no Brasil Colônia foi “gancho”. Depois foram chamados de “mediadores”. Nessa fase, as

Clientes do Itaú podem financiar ou trocar Smartphone com condições exclusivas

O Itaú está facilitando para seus clientes financiarem a troca do iPhone em até 21 meses. Após concluir o pagamento, o cliente poderá escolher se quer permanecer com o aparelho, iniciar outro financiamento ou fazer a devolução do smartphone. O banco Itaú lançou um novo programa que permitirá aos seus clientes realizar a troca do iPhone por modelo mais novo. Essa troca pode ser feita a cada 21 meses, com parcelas mensais de, no mínimo, R$ 140,91. Após quase dois anos o cliente Itaú terá pagado quase 70% do valor do smartphone e poderá escolher o que fazer: quitar os 30% restantes e ficar com o aparelho, devolver ou fazer a troca por um aparelho mais atual iniciando um novo financiamento. Quem

Classe média tem momento positivo para compra de novos imóveis

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês. Soa estranho afirmar que um setor vive momento favorável para captação de clientes em meio a uma pandemia que provoca crise financeira e econômica sem precedentes. Mas é isso mesmo que está acontecendo. Principal fonte de financiamento de imóveis para a classe média, a poupança vive momento recorde de captação de recursos. A isso é somado um cenário de juros baixos, o que permite que mais famílias tenham acesso a crédito. Fatores que dão uma boa oportunidade ao mercado imobiliár

Quarentena levou comprador a valorizar imóvel com mais espaço e conforto

O isolamento social, o trabalho remoto e as aulas online vêm fazendo com que muitos repensem a respeito de como — e onde — morar. Para medir esse impacto, a consultoria paranaense Brain entrevistou, entre 20 de março e 18 de junho, 1.700 consumidores que haviam indicado em pesquisas anteriores o desejo de comprar imóvel num futuro próximo. Segundo o levantamento “Covid-19: impactos e desafios para o mercado imobiliário”, a pandemia fez com que 10% das pessoas que antes procuravam apartamento passassem a buscar uma casa. Outros 20% responderam que a pandemia interferiu na quantidade de cômodos. “As pessoas querem mais conforto e mais bem-estar”, disse Fábio Tadeu Araújo, sócio-diretor da Brai

Brasileiros mantêm interesse em comprar imóvel mesmo com pandemia

Antes da chegada da pandemia do novo coronavírus, 55% dos entrevistados tinham intenção de comprar um imóvel nos próximos três a seis meses e, após o isolamento social, esse patamar subiu ligeiramente para 56%, segundo levantamento da Xaza, plataforma de intermediação de processos de compra e venda de imóveis, em parceria com a empresa de pesquisas Toluna. Dessa intenção de compra, apenas 16% pretendem adquirir imóveis residenciais e o restante foca em unidades comerciais. Em relação à venda, a intenção se manteve nos 15% antes e depois da pandemia. A pretensão de 70% dos possíveis compradores é de adquirir um imóvel até R$ 500 mil, 24% pretendem comprar sua residência com valor entre R$ 500

Preço dos imóveis sobe menos que a inflação. Veja quais as cidades mais baratas

Em julho, preço médio de venda residencial foi de R$ 7.328/m². Apesar da maioria das cidades do índice FipeZap terem alta, avanço ficou abaixo do IPCA O preço dos imóveis residenciais até aumentou no mês de julho, mas acabou ficando 0,08% da inflação do período, segundo o índice FipeZap, que monitora anúncios de imóveis em 50 cidades do país. No acumulado do ano, de janeiro a julho, os preços de casas e apartamentos subiram 1,39% ante a taxa de 0,46% do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) previsto para o período. Nos últimos 12 meses, no entanto, os preços dos imóveis residenciais seguem 1,13% abaixo da inflação. Esses empreendimentos, que passaram por boom de alta de preços

Aumento da retomada de bens pelos bancos estimula compra de imóveis e valores devem ficar bem abaixo

A pandemia do novo coronavírus trouxe diversas crises para o mundo todo, mas a principal é a financeira. Ainda sim, mesmo diante do desafio do dinheiro e investimento, muitas pessoas encontram oportunidades, como é o caso de quem quer comprar um imóvel. Na contramão do que víamos até então, inclusive da crise de 2018, as pessoas podem encontrar casas e apartamentos com valores bem mais acessível e quem tem dinheiro na poupança, por exemplo, pode fazer a negociação certa neste momento. O mercado imobiliário, que aliás recebeu R$ 43 bilhões da Caixa Econômica por meio de ações em programas do banco, parece não ter perdido o fôlego. A procura pela compra do bem segue dentro da média, mas pode a

Financiamentos imobiliários têm maior alta semestral em 10 anos. É hora de comprar a casa própria?

Apesar da chegada da pandemia, 133.786 imóveis foram financiados por pessoas físicas no primeiro semestre de 2020, um aumento de 35,2% na comparação com os seis primeiros meses do ano passado. A alta é a maior para o período dos últimos dez anos. Os dados são da Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip) e consideram os financiamentos contratados por meio do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE), que utiliza recursos da poupança e representou 62% dos financiamentos de janeiro a junho de 2020. De acordo com dados do Banco Central, publicados nesta semana, o volume total transacionado nos financiamentos imobiliários cresceu 20,5% no primeiro sem

Posts Recentes

 Av. Giovanni Gronchi 6195, 05724-003 conjunto 1912 São Paulo/SP 

  • LinkedIn Social Icon

© Copyrigh reserved  2018